Coming soon…

Ir ao cinema é fantástico! Daniel é louco por filmes e eu acabei pegando essa adorável paixão do meu digníssimo. Adoro filmes. Quem me conhece ao menos um pouco, sabe que eu não sou muito de sair pra barzinho, boate, festa, show e afins. Mas, um cineminha… é difícil negar.

Semana passada fomos a um cinema diferente (eu diria “alternativo”), assistir a um filme que Daniel queria assistir a um tempinho até… “I’m not there”.

O cinema é daqueles meio “cult”. E estranho. O piso tinha uma inclinação de, no máximo, 5 graus. Ou seja, todas as poltronas estavam basicamente no mesmo nível. Além disso, cadeiras apertadinhas e fileiras muito juntas (se eu achei apertado, imagine Daniel). Juntando as cadeiras amontoadas com o monte de gente, já que o cinema lotou, nos sentimos meio claustrofóbicos… mas o filme começou e o pavor do aperto diminuiu mais…

Antes do filme, claro, os trailers. Pela primeira vez, em toda a minha vida, vi um “Coming soon” de um filme de 1962. É, isso mesmo: MIL NOVECENTOS E SESSENTA E DOIS! Jesus. Isso lá é filme pra ter trailer??? Nossenhora. E então, lá estávamos, Daniel e eu, num cineminha claustrofóbico, vendo trailer de L’ Année dernière à Marienbad. Não conhece? Só pra sentir o “naipe”, o filme é dirigido por Alain Resnais.

Ah, mas o segundo trailer melhorou, mais nova. Também, né? Então, nos sentimos aliviados quando vimos que era um filme com cor!!! E lá vem… Brigitte Bardor. Filminho básico de 1963… Le Mépris. Só lá mesmo, viu?

Bom, mas ao filme mesmo… “I’m not there” (sem tradução para o português) é um baseado na vida de Bob Dylan. O filme é bem louco! Você tem que se ligar em 6 histórias ao mesmo tempo! Mas, vale assistir!

Para quem quiser saber mais:

Wikipedia
Adoro cinema

P.S.: Destaque para a excelente atuação de Cate Blanchett:

Pra quem não reconheceu o nome, ajudinhas:

Como Galadriel, em “O Senhor dos Anéis”, e em Babel, como Susan, esposa de Brad Pitt

Anúncios

Uma resposta em “Coming soon…

  1. Thaisinha, “Ano passado em Marienbad” foi um filme que todo mundo TEVE que assistir nos anos 60/70…!!!!! Um filme chatíssimo, lento, cheio de simbologia, mas TODO mundo assitiu e, o pior, “adorou”. Acho que fui a única que nunca gostou da tal nouvelle vague francesa… Mas, claro, não se podia dizer isso ou se seria condenado ao ostracismo intelectual!!!
    Vantagens da velhice: poder dizer que se gosta mesmo é de “Indiana Jones”.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s