O topo de Manhattan: visitando o Top of the Rock

Ontem fizemos um passeio 100% turístico, coisa que a muito tempo não fazíamos. O dia estava mais ou menos, mas como ultimamente tem chovido quase todo final de semana, um dia nublado estava mais agradável do que a média. No final da tarde, passamos no MoMA (o museu de arte moderna) e no finzinho da tarde, início da noite, fomos ao Top of the Rock: ver Manhattan de cima!

DSC00539

O Empire State

Quase todo mundo que vem aqui quer visitar o Empire State (que se fala “empáire” e não empire, como ouvimos brasileiros falando ontem!). Durante muitos anos o Empire State foi o prédio mais alto da cidade, perdendo apenas para as Torres Gêmeas do World Trade Center. Depois do ataque no 11 de setembro, o Empire State voltou a ser o prédio mais alto, até 2012, quando a nova torre do World Trade Center (que era chamada de Freedom tower quando estava sendo construída) subiu.

Voltando ao tópico. Com seus 102 andares e 380 metros de altura, o Empire State é o segundo prédio mais alto da cidade. Se aproveitando da altura, o prédio tem um observatório (é assim que se chama?), ou seja, você paga a bagatela de $25 e tem direito a visitar o topo do prédio, tendo acesso a umas das vistas mais lindas da cidade.

Mas espere um momento, cara pálida! Todo mundo sabe que o Empire State é O prédio de NY, é O skyline. É A cara da cidade… o que todo mundo quer é a foto DO Empire State. Então, eis nossa dica: pule a visita ao Empire State e corra para o Top of the Rock, o observatório do Rockefeller Center. O TotR é um pouquinho menos cheio que o Empire State e um pouquinho mais caro ($27), mas tem uma vista MUITO melhor. “Por quê?”, vocês nos perguntam. Bem, porque do TofR você tem (quase) a mesma vista linda que se tem do Empire State, vendo a cidade de cima, com todos os seus prédios altíssimos e Times Square. Mas, além disso, você tem a vista do Central Park E do Empire State! Boom! Double bonus!

DSC00572

Vista norte do TotR de dia: Central Park

O melhor horário para ir ao TotR depende de você. Muita gente adora ver o sol se pondo e a luz dourada iluminando a cidade. Outras pessoas preferem ver a cidade à noite. A cidade à noite é realmente linda, mas o melhor é que você encaixe a visita de maneira que não atrapalhe o resto do seu dia. Se você é do tipo que passa o dia batendo perna e fazendo compras e está super cansado no final do dia, melhor começar pelo TotR. Lá em cima quase não tem lugar pra sentar e se você quer tirar A foto perfeita e vai passar muito tempo lá, vai ficar em pé o tempo todo. Melhor fazer isso no começo do dia. Se você está com crianças ou idosos, que também tendem a ficar cansados no final do passeio, prefira a manhã/tarde. Se você faz questão de ir à noite, tente ir num dia que os passeios diurnos foram mais leves ou então se jogue mesmo. Turistar é isso mesmo, é morrer de cansaço no final do dia.

Se você quer ver à cidade à noite, saiba que é a hora mais concorrida do TotR. Vai ser chato conseguir lugar para tirar a sua foto e ainda os flashes iluminando as placas de segurança podem atrapalhar a foto. Mas, quando você consegue o lugarzinho, a foto fica linda!

DSC00616

Vista sul do TotR: Empire State (e a torre do Bank of America, à direita) e, ao fundo, o One World Trade Center

Para chegar no Top of the Rock, vá para o Rockefeller Center (rua 50, entre 5a e 6a avenidas). Em frente ao café (ou pista de patinação) está o prédio. Procure a entrada à direita do prédio (rua 51, acho). Na entrada você vê “Top of the Rock” e “Observation Deck”. Basta entrar ali, descer as escadas e comprar o ticket. Você compra o ticket para pegar o elevador em uma janela de 15 minutos, ou seja, se você chegar às 11 da manhã, você pode comprar o ticket para 11:05-11:20, 11:10-11:25 ou 11:15-11:30, por exemplo. Daí, quando der a sua hora, você entra na fila. Na verdade, acho que eles quase não olham isso, então chegue na fila e compre o ticket e pronto. Não se preocupe com a hora. MAS, caso você queira comprar o ticket e fazer alguma outra coisa antes, melhor pedir o ticket para a hora que você quer, tipo, meio dia. Daí você só pode entrar perto de meio-dia. O horário do ticket é apenas para controlar o número de pessoas mas, uma vez lá em cima, você pode ficar quanto tempo quiser. Ontem nós queríamos ver o Empire State acender, então chegamos às 18h e compramos os tickets para as 18:40. Subimos às 18:40 e ficamos lá até as 20:30.

Eles oferecem um mapa da cidade, mostrando os prédios principais, por $3. Eu recomendo comprar 1 por grupo. E, lá em cima, eles têm aqueles binóculos de mirante, para usar com moeda. Se você tem crianças acima de 7 anos, sugiro que leve umas moedas para que as crianças se divirtam. Outra dica é que o deck tem 3 níveis. O primeiro nível é o mais cheio. Passe direto dele e vá para o segundo nível. Tire algumas fotos e tente o 3 nível. No 1o e no 2o nível, o deck tem placas de proteção que podem refletir o flash à noite. No terceiro nível não tem.

A última dica que damos é a seguinte: mesmo que você tenha medo de altura, vá! O primeiro nível, além do terraço, tem um “salão”, onde você pode ver a cidade se ficar na beira do topo do prédio. Janelões emulduram o Empire State lindamente, dando a oportunidade de fotos lindas mesmo para os que não gostam de lugares altos.

Então, para ter uma das fotos mais lindas da cidade, não deixe de ir ao Top of the Rock!

Anúncios

Visitando Nova York em Junho

Esse post veio de bônus 🙂

Acabamos de escrever um post sobre o clima de NY em junho e lembramos do que se pode fazer pela cidade nessa época. Já falamos aqui sobre o verão em NY e aqui sobre os eventos de verão em NY. Nós já fomos para alguns dos eventos que sugerimos nesses posts, mas resolvemos escrever esse post com dicas apenas para o mês de junho, com eventos que já fomos e achamos legais ou que parecem ser interessantes.

Então, para quem está vindo realmente em junho, o que fazer pela cidade?

Big Apple Barbecue Block Party (já fomos!)

Esse é um evento anual que acontece no começo de junho. Esse ano de 2013 aconteceu nos dias 8 e 9. Por um final de semana, churrasqueiros do país inteiro vem para o parque Madison Square e oferecem suas delícias. Para aqueles que querem conhecer o verdadeiro churrasco americano, esse é o evento. O parque fica aberto para quem quiser curiar (não precisa pagar para entrar), mas os pratos custam cerca de $10. Como o consumo de bebida alcoólica é proibido em parques dos EUA, os organizadores fecham um pequeno espaço do parque e servem bebidas por lá. Você precisa ser maior de 21 para entrar nessa parte e a cerveja deve custas uns $10 também. Aqui o site do evento, para vocês se programarem para o ano que vem.

Museum Mile (nunca fomos)

Um dia por ano, a região dos museus na 5a avenida vira uma pracinha. Os organizadores fecham a rua para os carros, a rua recebe barraquinhas de comida e música, e os museus abrem suas portas. Por 3 horas, das 18-21h (pouco, né?) a entrada nos museus participantes é de graça. Para quem está economizando na viagem e não é lá muito fã de museu, essa é uma boa estratégia para visitar rapidinho alguns dos museus mais importantes da cidade. Aqui o site do evento.

Mermaid Parade (já fomos!)

Recomendamos esse evento para os que querem ir a Coney Island. Como a praia é meio longe, melhor aproveitar ao máximo a viagem. Na parada das sereias o tema é o mar, e as pessoas que desfilam se fantasiam de qualquer coisa que se relacione ao mar. É super colorido e as pessoas são bem animadas. O desfile começa por volta das 13h, então eu recomendo que você vá um pouquinho mais cedo para ver a praia e comer um hotdog do Nathan’s (não é lá essas coca-cola toda, mas é tradicional…). Aproveite o dia de sol, passeie pelo calçadão, tire foto das pessoas fantasiadas e tenha um ótimo dia. Não esqueça o protetor solar!!!! Site do evento

IMG_0421

Pride Parade (já fomos!)

Vale a pena acompanhar uma parte da parada gay de NY. O desfile é bem organizado e animado, e passa pelo meio da cidade. Para pegar um lugar bom você precisa chegar bem cedo, mas dependendo de onde você estiver hospedado, não é muito sacrifício pegar o começo da parada. Esse ano a parada vai ser no dia 30, então ainda dá tempo de ir. Site do evento

IMG_0506 IMG_0526 IMG_0545

Passeios em NY: Downtown, Wall St e Chinatown

Eu acho que só falamos de Chinatown nesse blog uma vez, e foi provavelmente falando mal. Fomos a Chinatown pouquíssimas vezes desde que chegamos aqui e não sabíamos muito o que fazer lá. Hoje, depois de 5 anos morando aqui, conhecemos um pouco mais de Chinatown e resolvemos escrever um post sobre esse bairro tão mal-entendido.

Antes de mais nada, Chinatown não é para qualquer um. Na primeira e única vez que escrevemos sobre Chinatown aqui foi em 2008 (recém-chegados) e eu falei mal do lugar. Não vou retirar o que disse porque meus comentários continuam valendo. Mas agora conseguimos ver outras coisas interessantes por lá. Sim, Chinatown continua meio sujo. Mas isso pode ser explicado por algumas coisas: (1) é uma região mais pobre da cidade; (2) é uma região super-populosa; (3) é cheia de ambulantes; (4) cheia de mercados de comida – incluindo muitos mercados de peixes e carnes, que faz a região feder um pouco. Mas isso não é em toda Chinatown. E, mesmo que fosse, eu continuo com a opinião de que todo mundo deve visitar Chinatown (do mesmo modo que acho que todo mundo tem que ir na Estátua da Liberdade, Empire State Building/Top of the Rock e Times Square). Faz parte da cidade e faz NY ser o que ela é. É uma região bem diferente do resto da cidade e acho que você encontra lugares assim em poucos países do mundo. Nos EUA, por exemplo, Chinatown como a de NY, só em NY (a Chinatown de SF é diferente…).

Então, o que fazer e ver em Chinatown? Você pode chegar a Chinatown de metrô ou caminhando. Fica pertinho do Soho, da Ponte do Brooklyn e do South Street Seaport. Nossa sugestão é começar mais pelo sul de Manhattan. Se vocês já viram ou não querem ver algumas das opções, olhem no mapa a estação de metrô mais próxima da atração que vocês querem ver e comecem a partir daí. O horário são apenas sugestões.

  1. 9:00: Pegue as linhas 4 ou 5 (verde) na direção para a estação Bowling Green;
  2. 9:30: desça na estação Bowling Green, pegue a Broadway e ande em direção ao norte de Manhattan, passando pelo parque Bowling Green;
  3. 9:35: pare para a foto com o Charging Bull (touro de Wall Street);
  4. 9:40: continue na Broadway em direção ao norte, até chegar na igreja Trinity;
  5. 9:45: dobre a esquerda na Wall Street e veja a bolsa de valores de NY (New York Stock Exchange) e a estátua do George Washington;
  6. 10:00: volte para a igreja Trinity;
  7. 10:05: siga na Broadway (norte) e entre no parque Zuccotti (onde estava tendo o Occupy Wall Street);
  8. 10:10: no parque Zuccotti, entre à esquerda na rua Liberty, dobre à direita na rua Trinity e à direita na rua Cortland para passar pela Century 21. A Century 21 é uma loja de departamento gigante, com várias marcas em desconto. É sempre MUITO cheia, mas bem em conta. Eu sugiro que você deixe para comprar aqui num dia que não seja de passeio a pé.
  9. 11:00: saia da Century e dobre à esquerda na Cortland e esquerda novamente para voltar à Broadway em direção ao norte até chegar na Capela St. Paul.
  10. 11:05: A capela St. Paul costumava ter um pequeno memorial do 11 de setembro. É uma capela bem antiga e vale a foto.
  11. 11:20: continue na Broadway norte até chegar ao City Hall. Pausa para descansar nos banquinhos (quem estiver cansado) e tirar mais fotos;
  12. 11:45: saia do City Hall e pegue a rua Centre para o norte (você vai ver a ponte do Brooklyn à esquerda). Siga pela rua Centre, passe pelo parque Foley, entre à esquerda na rua Worth e siga reto até o parque Columbus. Entre à esquerda na rua Mulberry;
  13. 12:00: a rua Mulberry na altura do parque Columbus é cheia de casas funerárias asiáticas (acho que a maioria – talvez todas – é chinesa). Pode não valer foto, mas é curioso/diferente. Entre no parque Columbus. Talve você veja pessoas jogando futebol (no final de semana são times de ligas da cidade… não é pelada de rua), volei, etc. Ainda no parque, você vai ver muitos asiáticos idosos sentados no bancos e muitas vezes cantando ou fazendo Tai Chi. No meio do parque tem um prédio bonito, arquitetura oriental, onde coisas acontecem no final de semana. Não passamos muito por lá então não tenho muitos detalhes. Mas vale o passeio.
  14. 12:15: Ok, hora de descansar novamente. Saia do parque Columbus na rua Bayard com Baxter e siga na Baxter em direção ao norte. Se gostar (e for maior de 21 anos!), passe na Whiskey Tavern. Peça 1 pickleback (por pessoa), 1 cerveja (por pessoa, ou um pitcher p/ 3 ou mais) e uma porção de tater tots (1 porção p/ 2 ou 3 pessoas). Não é almoço, é apenas descanso… relaxe, descanse as pernas, converse, veja as fotos que tirou e reveja a rota. Pickleback é um shot de whiskey aguadinho e um shot de pickled juice. Shot de tequila é muito 2011.
  15. 13:00: Ok, hora de voltar ao passeio. Saia da Whiskey Tavern e continue na rua Baxter em direção ao norte até chegar na rua Canal. Essa é a rua mais muvucada de Chinatown! É muamba e feira pra todo lado! Quando chegar na rua Canal, dobre a esquerda até a rua Centre para ver um prédio charmosinho em arquitetura chinesa (?). Acho que é um o único prédio com essa arquitetura em NY. Vale a foto..
  16. 13:10: Volte pela rua Canal e vá curtindo a muvuquesa da região. Eu não sugiro comprar nada aqui, mas, vale o passeio. Se você for mulher, é normal ser abordada por chinesas tentando convencer você a comprar bolsas “Prada” por lá. Não vá. 🙂 Ninguém vai assaltar você, mas não tem pra que comprar bolsa falsificada. Siga passeando na rua Canal até chegar na rua Mott. Entre a esquerda para continuar na rua Mott Agora, pausa para o almoço no restaurante Shangai Cafe (numero 100 na rua Mott).
  17. 13:45 – Opção 1 para o Almoço: Almoço no Shangai cafe é uma opção para quem está mais disposta a provar coisas novas. Se você souber o que pedir, não vai comer cabeça de galinha ou estrela do mar. Clique aqui e veja nossas dicas do que pedir no Shangai Cafe, lembrando que aqui só aceita dinheiro (cash only).
  18. 13:45 – Opção 2 para o Almoço: Se você não quiser provar o Shangai café, em vez de entrar na Mott, entre na rua Mulberry (também na direção norte) e passei pelo que resta de Little Italy. Quase não existe mais restaurante italiano tradicional/original e dos poucos que restam, 90% são pega-turista (ou seja, comida medíocre e cara). Se você estiver a beira de um desmaio de fome, coma. Se aguentar andar mais um pouco, continue passeando pelo resto de Little Italy até a rua Broome e veja a plaquinha “Welcome to Little Italy”. Continue na Mulberry, direita na rua Kenmare e à esquerda na rua Mott. Aqui, uma opção de almoço é a Parisi Bakery (rua Mott, número 198). Nós nunca comemos aqui, mas pelo que entendi, é um lugar que serve sanduíches frios (tipo pão com bologna, queijo, etc.). Essa é mais uma opção barata de almoço (cerca de $10/pessoa, com bebida).
  19. 13:45 – Opção 3 para  Almoço:  Mas, se você está disposto a gastar um pouco mais e esperar um pouco mais a aproveitar que está na região, prove a pizza da pizzaria Lombardi’s, na esquina da rua Mott com rua Spring. Essa pizzaria se auto-denomina a primeira pizzaria dos EUA. Aqui normalmente tem fila e você pode esperar até 1 hora para conseguir uma mesa, dependendo do dia. De todo modo, é mais fácil conseguir mesa na hora do almoço em dias de semana, então, se você estiver por aqui, vale a pena tentar. Faz tempo que não vamos lá, mas uma pizza (marguerita) grande custa cerca de $20 e serve 2 pessoas, refrigerante custa uns $2 a $3, e bebida alcóolica (acho que vinho e cerveja apenas) é mais caro. Como ainda tem garçon, aqui deve custa uns $20-$30 por pessoa.
  20. 15:00: Se tiver espaço para a sobremesa, prove diferentes tipos de arroz-doce (rice pudding) na Rice to Riches ou frozen yogurt na Pinkberry, ambas na rua Spring.
  21. 15:15: Siga na rua Spring em direção à Broadway (vire à esquerda na Spring quando sair da Lombardi’s). Agora você pode fazer compras ou apenas passear pelo Soho, seguindo norte ou sul na Broadway.

Ok, agora podem dizer que vcs me amam ❤

 

High Line: um parque suspenso

A High Line é um dos parques mais badalados da cidade, até porque é um dos mais recentes: foi aberto em 2009 e, desde então, está sempre lotado de turistas. É um parque diferente dos tradicionais: é construído nos trilhos elevados de uma antiga ferrovia que corria no lado oeste da cidade. No parque (em cima dos trilhos) você tem boas vistas do Rio Hudson e das avenidas 9 e 10. Vale a pena visitar o High Line se você estiver por Chelsea ou passeando pelo Meatpacking District no lado sudoeste da cidade – é de graça e é um passeio relativamente curto, em 30 min você consegue ver tudo. A única coisa negativa é que, por ser tão badalado, vive cheio, as vezes sem lugar pra sentar e descansar. O parque em si não tem lugares pra comprar comida, embora esteja bem perto do Chelsea Market, um dos nossos lugares favoritos para comer na cidade. O parque tem um banheiro público na altura da rua 15.

O “theater” na High Line, por John Dalton

O elevado onde o parque se encontra tem várias entradas, então você pode também fazer somente uma visita parcial (por exemplo, entrando na rua 14 e saindo na rua 23). O site do parque www.thehighline.org tem todas as informações sobre as entradas, os horários de funcionamento, história do parque, etc. Uma última dica: uma das coisas mais bacanas da High Line é a história do parque e do elevado onde ele se encontra. Se você tiver paciência, dê uma lida na história do parque na Wikipedia – uma história de mortes, frozen turkeys e até cowboys. É muito mais legal passear pelo parque imaginando a cidade no começo do século 20 e como as pessoas viam os trilhos naquela época.

Hoje tivemos uma oportunidade fantástica de fazer um passeio pela terceira seção da High Line, que corre do cruzamento da 10a avenida com rua 30 até o cruzamento da 12a avenida com rua 34. Essa seção não só ainda não está aberta ao público como ainda nem foi construída – uma chance legal de ver os trilhos no seu estado “natural”. Abaixo algumas fotos do nosso passeio– muito metal enferrujado, muito mato e uma sensação de estar andando no passado.

Começo dos trilhos, na avenida 12 com rua 34.

O Empire State Building, entre os arbustos da High Line.

Cruzamento de trilhos na nova seção da High Line.

Trilhos da High Line, rio Hudson.

Vista da avenida 11, do topo da High Line.

East River Park

East River Park

East River Park na altura da 10th st, ao fundo a Queensboro Bridge, a esquerda a estação de energia da ConEd

Apesar de ter belas vistas das três pontes mais famosas da cidade (Williamsburg, Manhattan e Brooklyn), o East River Park é um dos parques menos badalados por turistas em NYC. Se você quer fugir um pouco do caminho batido dos guias de turismo, tire 1 ou 2 horas do seu dia para caminhar pelo parque, que te leva da rua 23 até a ponta sul da ilha (Battery Park). No caminho, evite a todo custo a visita ao South Street Seaport, a não ser que queira comer mal, comprar bugigangas “I love NY” ou dar uma passada rápida no banheiro. Lá você não encontra nada de autêntico de NYC, somente lojas baratas, restaurantes terríveis e ônibus de excursão – uma verdadeira armadilha pega-turista. Aproveite o tempo em outros lugares mais interessantes da cidade (parques, museus, lojas, ruas, bairros, restaurantes, qualquer coisa é mais interessante que o SSS).

Casal embaixo da Williamsburg Bridge

Espalhadas pelo East River Park estão quadras para as mais diversas modalidades esportivas, inclusive um belo campo de futebol (soccer!) rodeado por uma boa pista de atletismo. Existem também quadras de tênis e basquete, todas abertas ao público. Pela beirada do rio você vai encontrar gente correndo pra lá e pra cá, não importa a época do ano.

Vista da Brooklyn Bridge no East River Park

Outra dica legal nesse percurso é o New Amsterdam Market, um mercado de comida (farmers market) fantástico que acontece todos os domingos perto da ponte do Brooklyn. Cheio de produtores locais vendendo guloseimas deliciosas, com um pouco de sorte você pode comer um grilled cheese do morristruck com um refrigerante artesanal e depois tomar um dos incríveis sorvetes do Bent Spoon. Um dos nossos passeios favoritos de domingo envolve caminhar pelo East River Park e fazer um brunch no mercado.

New Amsterdam Market, perto da Brooklyn Bridge

Endereço: margeando o East River em Manhattan ao sul da 23th st
Metrô: L estação 1st avenue (na altura da 14th st), F estação Delancey St (altura da Delancey St). Não é muito fácil chegar ao parque de metrô, nossa sugestão é descer na 1a avenida com 14th st e andar até o parque.


Fotos: para mais fotos do parque, vejam nossa galeria do East River Park

Walking tours

Sempre dizemos aos amigos que vem visitar que em NY se anda muito. Claro que voce pode passar o tempo todo andando de taxi, ônibus ou metrô – eles te levam para qualquer lugar -, mas usando esses transportes você corre o risco de perder muita coisa da cidade. Não estou dizendo que não deva usar o metrô. Deve sim, é ótimo, confiável (em geral) e fácil de entender. Mas não deixe de passear a pé pela cidade. Nos passeios a pé é que você pode se deparar com um prédio lindo, uma pessoa famosa, um carrinho de comida deliciosa ou uma loja super bacana.

Alem dos passeios a pé de um ponto turístico a outro, a cidade tem vários walking tours. Para esses, seu inglês precisa estar levemente afiado (afinal, não tem tanta graça fazer o passeio sem entender nada do que o guia fala) e ter um preparo físico razoável. Dependendo do tour, você vai passar de 2 a 4 horas andando, parando, e raramente (ou nunca) sentando. Se você for levemente pregado, fique com os passeios de ônibus mesmo. Se for mais disposto, se aventure num walking tour.

Nós fizemos um walking tour a um tempo atrás (acho que em outubro ou novembro) e foi muito legal. Nosso guia era um senhor dos seus 70 anos. Era um tour sobre os imigrantes no Lower East side de NY e fomos duplamente sortudos: 1) nós éramos os únicos no passeio, então foi um passeio privado pelo preço normal; e 2) o guia era filho de imigrantes e metade dos lugares e histórias que ele contava eram pessoais. Muito mais legal! Apesar de termos adorado, eu não faço ideia de que lugar foi esse que encontramos o passeio, então não posso recomendar o lugar. No meio de julho faremos outro passeio, pelo East Village. Depois eu comento aqui…

Diferente dos passeios de ônibus estilo city-tours, os walking tours são bem específicos, tipo “NY Heritages”, “NY nightlife”, “Foods of NY”. Basta dar uma olhada no Google por ny walking tours e vocês vão encontrar várias opções. O preço varia, mas acho que começam por volta dos $25 por pessoa + tip pro guia no final (+-20% do preço, ou mais, se o guia for super bom). Alguns são bem mais caros, por volta dos $60-70/pessoa. Meio salgado, mas se você tiver condições, eu sugeriria escolher o que mais agrade e fazer. Se o guia for minimamente bom, será uma ótima experiência! Se o passeio for caro, seria bom dar uma olhada antes no que outras pessoas falam do passeio/guia. Cheque o Yelp para isso.

Além dos passeios pagos, você poderá encontrar alguns passeios de graça, mas se lembre de dar tip mesmo assim. Como você não sabe o valor do passeio, dê no mínimo $5 (por pessoa, por favor. Não dê $5 por um grupo de 4). E, finalmente, para quem não pode pagar ou não encontrar esses passeios, existem alguns walking tours guides de graça para fazer download (e você faz o passeio escutando o tour no seu ipod/celular), mapas com tours guiados, com descrições pequenas dos lugares, ou mesmo livros com vários passeios. Nós temos o New York City Walks, que custa cerca de $10 na Amazon.

Para mais dicas de walking tours, veja esse site.

Chelsea – comida, arte e a comunidade gay

Propagandas para o público homossexual

Apesar do Stonewall Riot ter acontecido no Greenwich Village (onde fica o bar Stonewall Inn), Chelsea é tido como o bairro gay (gayborhood?) de NYC. Achamos NY uma cidade gay-friendly – especialmente em Chelsea você se depara com essa realidade. Não sabemos de onde vem a história, mas aparentemente foi o bairro escolhido por vários casais gays para morar. E é isso que você encontra: casais gays andando de mãos dadas, abraços e beijos nas ruas – tudo que casais heterossexuais fazem em qualquer outro lugar. Aqui é normal então, se você é contra, recomendo que tente abrir sua cabeça ou então realmente evite Chelsea. Não que você não vá encontrar em outros cantos da cidade mas, como falamos, aqui a proporção é bem maior. Inclusive, várias propagandas em ponto de ônibus/telefone público são voltadas a comunidade gay.

Bandeira do orgulho gay

Isso faz com que vários restaurantes, lojas, cafés, galerias etc., exibam a bandeira do orgulho gay, o que não significa que são estabelecimentos gays: são locais que apoiam o movimento pelos direitos iguais. Talvez Chelsea seja até um bom bairro para conhecer um pouco mais sobre o homossexualismo – andar pelas ruas e ver que, diferente do que alguns imaginam por aí, as pessoas são absolutamente normais, dignas, e querem apenas viver suas vidas, assim como você e eu.

Bandeira do orgulho gay

Chelsea tem ótimos restaurantes, bares e cafés que valem a pena conhecer, além de várias galerias de arte. Nós recomendamos o Chelsea Market, na 9a avenida entre as ruas 15 a 16, onde você pode (deve!) tomar um café no Ninth Street Espresso, que nós consideramos um dos melhores cafés de NY. Fique atento porque: 0) eles só aceitam cash; 1) nos referimos a cappuccinos; 2) cappuccino aqui não tem canela nem chocolate; 3) a xícara (ou copo) é pequena, leva 3 doses de espresso e te deixa ligado o resto do dia. Para acompanhar o café, passe na Amy’s Bread e compre qualquer coisa – tudo lá é bom, os sanduíches são fantásticos e o sticky bun é divino (porém gigante). Aproveite e estique a visita até o almoço ou jantar e coma no Green Table, que serve comida orgânica e local: o hamburguer, o chicken/beef pot pie e o beef bourguignon são ótimos. Prove também a cerveja Allagash. Pratos de $15 a $20 por pessoa. Vá ao Chelsea Thai para algo mais barato (as porções são bem grandes… então, sugiro que divida um prato com alguém e guarde espaço para um café e uma sobremesa). De sobremesa, além das delícias da Amy’s bread, você pode se deliciar com um brownie fora-do-comum da Fat Witch (mas se você for entre as 5 e 7 da tarde/noite, o brownie custa metade do preço!), cookies ou cupcakes da Eleni’s (nunca comemos), sorvetes da L’Arte del Gelato ou chocolates ou cookies do Jacques Torres (caros, mas você pode comprar um e curtir…). Além das comidas, o Market tem uma loja de vinhos super boa, uma livraria, uma loja de coisas para cozinha e uma loja de roupas, a Anthropologie. As demais lojas nós não conhecemos/nunca entramos/nunca comemos, mas vale a pena passear por lá. O famoso restaurante japonês do Iron Chef Morimoto também fica lá.

Outros lugares legais por Chelsea são:

  • Chelsea Brewing Company: uma cervejaria que fica no Chelsea Pier, na 11a avenida na altura da rua 20;
  • Highline: é um parque suspenso, feito em antigas linhas de trem. Interessante. Tem alguns lugares para sentar e se bronzear (como vários nova-iorquinos fazem…), legal também para fazer picnics em dias de clima agradável;
  • Café Grumpy: esse lugar é um segredo. O café é bem gostoso, e, diferente do Ninth Street, eles servem café normal, espresso, cappuccino, etc. Um dos lances desse lugar, é que eles servem um café de $10 (ou $12, não lembro), que é tido como O café de NY. Um café normal, em deli, custa cerca de $1. No Starbucks, $2. Aqui, $10/$12. Se vale a pena nós não sabeoms, já que eu nunca provamos, mas iremos em breve ((re)fazemos aqui o convite para quem quiser ir conosco). Ele fica na rua 20, entre a 7a e 8a avenidas. O pulo do gato desse café é que ele não tem identificação/placa na entrada. Eu já tomei o cappuccino de lá e só achei porque eu tinha decorado a fachada da loja. Você pode levar o número do lugar. Vai fazer o mesmo efeito… 🙂 ;
  • Joe: nós citamos o Joe aqui, pela loja que fica na rua 13 entre a 5a avenida e a University place. Outra loja fica na rua 23, quase na esquina da 9a avenida (eles tem outras lojas espalhadas pela cidade. Cheque no site). É também um café bem gostoso mas, novamente, só tomamos o cappuccino.
  • Co.:  esse lugar tem pizzas bem gostosas, mas é sempre cheio… A ênfase aqui é na massa da pizza, já que o dono/chef/criador é dono de uma famosa padaria aqui em NYC.
  • Apple Store: fica na rua 14 com a avenida 9, pertinho do Chelsea Market. Três andares de produtos da Apple.
  • WestSide Market: nós gostamos muito desse mercado. É um mercadinho cheio de coisas deliciosas, queijos, molhos, comidas prontas… se estiver passeando por perto, de uma passadinha e leve algo para comer em casa/no hotel. Fica na 7a avenida, entre as ruas 14 a 15.

Agora vocês já sabem onde nos encontrar :).