Or should I just keep chasing pavements, even if it leads nowhere?

O show ontem foi fantáaaaaaaaaaastico!!!! Se eu já era fã de Adele, agora sou super-hiper-mega fã. Alguém aí conhece um fã-clube? 🙂

Do começo…

Uma amiga, num grupo de emails, mandou um vídeo da Adele, que eu não conhecia na época. Gostei mto da voz e da música dela e comecei a procurar outras no Youtube. Daí, comprei o cd no iTunes e fiquei ouvindo e ouvindo… Daniel, que é mto lindinho e que me deixa cada vez mais apaixonada, descobriu que ela ia fazer um show aqui e comprou senhas – surpresinha pra mim. O show foi ontem. Óooootimo!!! Ontem era também o aniversário dela (21 anos… ai, como ela é novinha!). 🙂 O show tava beeeeem cheio, mas ficamos num lugar até médio – era difícil ver o palco vez ou outra, mas daí eu me pendurava em Daniel e resolvia… Adele é suuuuuuuuuuuuuper gracinha, bem menininha, simpática, tímida, nervosinha… e faaaaala que só! Canta melhor que no cd, por sinal… 🙂 Depois procuro um vídeo dela no show de ontem… pra mtar a curiosidade de quem não a conhece, vídeo com a música preferida do meu amor.

Houses of the Holy

ledzeppelinhousesoftheholycover

As casas sagradas, Led Zeppelin

O quê? Houses of the Holy, quinto disco do Led Zeppelin

Quando? Caminhando na rua de manhã bem cedinho, com o céu limpo e o sol nascendo, sem pressa, sem rumo. The Rain Song faz tudo ficar poético: as pessoas andando na rua indo ao trabalho, os adolescentes indo para a escola em grupos, a senhora tomando seu café. Bônus se a temperatura na rua estiver em torno de -3C, quando você consegue sentir suas pernas começando a formigar com o vento frio. Over the Hills and Far Away não faz nem um pouco feio na sequência; seu começo lírico rapidamente desanda para um rock and roll bacana:

Many times I’ve gazed along the open road.
Many times I’ve wondered how much there is to know.

A faixa seguinte (The Crunge) na minha opinião destoa com o resto do álbum. Pulemos rapidamente, pois o resto do disco é incrível! Como diria uma crítica que li por aí, é o Led Zeppelin na época em que achavam (corretamente) que podiam fazer qualquer coisa. Eles vão de um straight rock (Dancing Days) passando por experimentações meio psicodélicas (No Quarter), reggae (D’yer Mak’er) e acertando em cheio quando partem de vez para (re-)inventar o hard rock, como em The Ocean.

Oh, so good!

Em resumo, esse álbum é pau. Pule a quarta faixa e se delicie com a banda que é praticamente a definição de Rock and Roll. E se preparem pra ver mais discos do Led Zeppelin por aqui, estou numa fase de redescoberta do so called rock clássico.