O MoMA – update 2013

Esse post é muito parecido com o post que publicamos aqui em 2010. Usei o mesmo template e apenas atualizei as informações. Desde 2010, temos ido ao MoMA cada vez mais, então  achei que podia trazer informações atuais interessantes.

Golden Marilyn Monroe (Warhol)

MoMA (museu de arte moderna, The Museum of Modern Art) fica em Midtown, entre a 5a e 6a avenidas, na rua 53. O museu funciona diariamente das 10:30 às 5:30 (até as 8 da noite nas sextas e, durante o verão, nas quintas) e a entrada custa $25. (Update com a dica do Renato Thibes: nas sextas, a partir das 4 da tarde, a entrada é de graça)

Apesar de ser um museu mais caro que os demais, é um lugar que super vale a pena visitar. O museu é bem moderno, super clean, e tem exposições maravilhosas. São 6 andares: no 6o andar ficam as exposições temporárias; no 5o e 4o andares, esculturas e pinturas; no 3o andar ficam arquitetura e fotografias; no 2o andar ficam livros, arte contemporânea e mídia; e no térreo fica um jardim lindo. O museu é grande, então o ideal seria visitá-lo em vários dias, mas como é caro, eu não recomendo. Mesmo pra quem gosta muito de museu, depois de 2 ou 3h andando e parando, não tem quem aguente. Sugiro que você escolha o tipo de arte que mais gosta e vá para esse andar. Dá para fazer uma visita express em 3 andares, vendo as obras e artistas principais. A não ser, claro que você seja um grande apreciador de arte moderna e tenha tempo de visitar o museu com calma. Se você não tem um dia inteiro disponível e/ou não é um grande apreciador de arte moderna, não vale a pena se cansar imensamente para visitar os seis andares, porque, no final, você já vai estar cansado e meio aborrecido e o museu vai perder 50% da graça. Planeje poucas exposições e as veja com calma. Saia do museu inteiro e feliz.

Ah, pegue o audio-guide. Basta deixa um documento com foto (mas eles não aceitam passaporte. Leve sua identidade/cartão de crédito com foto) e pegar (com um documento você pode pegar pelo menos 2 audios, talvez até mais, se estiver em grupo). Existem áudios em várias línguas, então é provável que exista em português. Em geral, eles perguntam se você quer em inglês. Se não perguntarem, pergunte você.

O museu tem vários cafés (3, acho), inclusive um no jardim, que funciona apenas no verão. Se você quer ver o museu todo, vale a penas, entre 2 andares, descansar um pouco no jardim, tomando um café, sorvete ou mesmo vinho ou cerveja. Também vale visitar as duas lojas (uma no próprio museu, outra em frente).

Autorretrato com cabelo cortado (Kahlo)

Eu sempre acho que planejamento é o segredo de uma ida ao museu, especialmente em museus grandes e cheios. Como durante a viagem é difícil parar e planejar essas coisas, agora, enquanto você está em casa, planejando a viagem, dê uma olhada no site do MoMA, veja as exposições e escolha os artistas/obras que você quer ver. A exposição permanente, como o nome diz, dificilmente muda, mas não custa nada conferir na semana que você vai viajar se as obras ainda estão aqui ou se foram emprestadas a outros museus.

Considerando sempre que eu sou uma desconhecedora de arte, aqui está uma sugestão de visita para aqueles que querem fazer uma visita mais rápida. Não sei se são as obras principais, mas foram as obras que eu parei para ver na última visita relâmpago que fizemos (uma hora e meia).

A dança (Matisse)

  1. Comece pelo 5o andar (Painting and Sculptures I: 1880s-1940s): aqui estão as obras de vários artistas como Dali, Frida Khalo, Picasso, Matisse, Monet e van Gogh. Aqui estão o Autorretrato com cabelo cortado (F. Kahlo), Noite Estrelada (van Gogh), Les Demoiselles d’Avignon Two Nudes (Picasso), A Dança (Matisse), e Lírios de água (Monet).
  2. Siga para o 4o andar (Painting and Sculptures II: 1940s-1980): aqui estão as obras de artistas mais contemporâneos. Passe rápido para: One: number 31 (Pollock), Moça com a bola (Lichtenstein), Antes e depois e Marilyn (Warhol. Também não deixe de ver as Sopas Campbell, perto do café no 5o andar).
  3. No 3o andar você pode dar uma olhada na exposição de fotografia, que sempre muda, na exposição de arte e design e/ou na exposição especial. Nós escolhemos fotografia e a especial que, quando fomos, era sobre som.

    Na exposição especial, sobre som.

    Na exposição especial, sobre som.

  4. No 2o andar estão obras de arte contemporânea. Nós pulamos essa parte.
  5. Finalmente, vá para o 1o andar e aproveite o jardim das esculturas, se estiver aberto.
DSC00549

Noite estrelada (van Gogh)

Imagens: MoMA e arquivo pessoal.

Anúncios

O topo de Manhattan: visitando o Top of the Rock

Ontem fizemos um passeio 100% turístico, coisa que a muito tempo não fazíamos. O dia estava mais ou menos, mas como ultimamente tem chovido quase todo final de semana, um dia nublado estava mais agradável do que a média. No final da tarde, passamos no MoMA (o museu de arte moderna) e no finzinho da tarde, início da noite, fomos ao Top of the Rock: ver Manhattan de cima!

DSC00539

O Empire State

Quase todo mundo que vem aqui quer visitar o Empire State (que se fala “empáire” e não empire, como ouvimos brasileiros falando ontem!). Durante muitos anos o Empire State foi o prédio mais alto da cidade, perdendo apenas para as Torres Gêmeas do World Trade Center. Depois do ataque no 11 de setembro, o Empire State voltou a ser o prédio mais alto, até 2012, quando a nova torre do World Trade Center (que era chamada de Freedom tower quando estava sendo construída) subiu.

Voltando ao tópico. Com seus 102 andares e 380 metros de altura, o Empire State é o segundo prédio mais alto da cidade. Se aproveitando da altura, o prédio tem um observatório (é assim que se chama?), ou seja, você paga a bagatela de $25 e tem direito a visitar o topo do prédio, tendo acesso a umas das vistas mais lindas da cidade.

Mas espere um momento, cara pálida! Todo mundo sabe que o Empire State é O prédio de NY, é O skyline. É A cara da cidade… o que todo mundo quer é a foto DO Empire State. Então, eis nossa dica: pule a visita ao Empire State e corra para o Top of the Rock, o observatório do Rockefeller Center. O TotR é um pouquinho menos cheio que o Empire State e um pouquinho mais caro ($27), mas tem uma vista MUITO melhor. “Por quê?”, vocês nos perguntam. Bem, porque do TofR você tem (quase) a mesma vista linda que se tem do Empire State, vendo a cidade de cima, com todos os seus prédios altíssimos e Times Square. Mas, além disso, você tem a vista do Central Park E do Empire State! Boom! Double bonus!

DSC00572

Vista norte do TotR de dia: Central Park

O melhor horário para ir ao TotR depende de você. Muita gente adora ver o sol se pondo e a luz dourada iluminando a cidade. Outras pessoas preferem ver a cidade à noite. A cidade à noite é realmente linda, mas o melhor é que você encaixe a visita de maneira que não atrapalhe o resto do seu dia. Se você é do tipo que passa o dia batendo perna e fazendo compras e está super cansado no final do dia, melhor começar pelo TotR. Lá em cima quase não tem lugar pra sentar e se você quer tirar A foto perfeita e vai passar muito tempo lá, vai ficar em pé o tempo todo. Melhor fazer isso no começo do dia. Se você está com crianças ou idosos, que também tendem a ficar cansados no final do passeio, prefira a manhã/tarde. Se você faz questão de ir à noite, tente ir num dia que os passeios diurnos foram mais leves ou então se jogue mesmo. Turistar é isso mesmo, é morrer de cansaço no final do dia.

Se você quer ver à cidade à noite, saiba que é a hora mais concorrida do TotR. Vai ser chato conseguir lugar para tirar a sua foto e ainda os flashes iluminando as placas de segurança podem atrapalhar a foto. Mas, quando você consegue o lugarzinho, a foto fica linda!

DSC00616

Vista sul do TotR: Empire State (e a torre do Bank of America, à direita) e, ao fundo, o One World Trade Center

Para chegar no Top of the Rock, vá para o Rockefeller Center (rua 50, entre 5a e 6a avenidas). Em frente ao café (ou pista de patinação) está o prédio. Procure a entrada à direita do prédio (rua 51, acho). Na entrada você vê “Top of the Rock” e “Observation Deck”. Basta entrar ali, descer as escadas e comprar o ticket. Você compra o ticket para pegar o elevador em uma janela de 15 minutos, ou seja, se você chegar às 11 da manhã, você pode comprar o ticket para 11:05-11:20, 11:10-11:25 ou 11:15-11:30, por exemplo. Daí, quando der a sua hora, você entra na fila. Na verdade, acho que eles quase não olham isso, então chegue na fila e compre o ticket e pronto. Não se preocupe com a hora. MAS, caso você queira comprar o ticket e fazer alguma outra coisa antes, melhor pedir o ticket para a hora que você quer, tipo, meio dia. Daí você só pode entrar perto de meio-dia. O horário do ticket é apenas para controlar o número de pessoas mas, uma vez lá em cima, você pode ficar quanto tempo quiser. Ontem nós queríamos ver o Empire State acender, então chegamos às 18h e compramos os tickets para as 18:40. Subimos às 18:40 e ficamos lá até as 20:30.

Eles oferecem um mapa da cidade, mostrando os prédios principais, por $3. Eu recomendo comprar 1 por grupo. E, lá em cima, eles têm aqueles binóculos de mirante, para usar com moeda. Se você tem crianças acima de 7 anos, sugiro que leve umas moedas para que as crianças se divirtam. Outra dica é que o deck tem 3 níveis. O primeiro nível é o mais cheio. Passe direto dele e vá para o segundo nível. Tire algumas fotos e tente o 3 nível. No 1o e no 2o nível, o deck tem placas de proteção que podem refletir o flash à noite. No terceiro nível não tem.

A última dica que damos é a seguinte: mesmo que você tenha medo de altura, vá! O primeiro nível, além do terraço, tem um “salão”, onde você pode ver a cidade se ficar na beira do topo do prédio. Janelões emulduram o Empire State lindamente, dando a oportunidade de fotos lindas mesmo para os que não gostam de lugares altos.

Então, para ter uma das fotos mais lindas da cidade, não deixe de ir ao Top of the Rock!

Quanto custa morar em NY?

Sempre tem gente nos perguntando quanto custa morar aqui, o preço de aluguel e etc. Todo mundo se assusta com o preço, mas é realmente assim. Caro e por um espaço pequeno (como no Rio, né?). Bom, mas para aqueles que querem saber o preço de aluguel por aqui, especialmente para os estudantes, esse site dá uma noção dos preços. Apesar do site dizer os preços, é bom pensar na localização (se bem que nesse site, a maioria dos lugares é razoável).

http://ny.curbed.com/tags/curbed-comparisons

Passeios em NY: Downtown, Wall St e Chinatown

Eu acho que só falamos de Chinatown nesse blog uma vez, e foi provavelmente falando mal. Fomos a Chinatown pouquíssimas vezes desde que chegamos aqui e não sabíamos muito o que fazer lá. Hoje, depois de 5 anos morando aqui, conhecemos um pouco mais de Chinatown e resolvemos escrever um post sobre esse bairro tão mal-entendido.

Antes de mais nada, Chinatown não é para qualquer um. Na primeira e única vez que escrevemos sobre Chinatown aqui foi em 2008 (recém-chegados) e eu falei mal do lugar. Não vou retirar o que disse porque meus comentários continuam valendo. Mas agora conseguimos ver outras coisas interessantes por lá. Sim, Chinatown continua meio sujo. Mas isso pode ser explicado por algumas coisas: (1) é uma região mais pobre da cidade; (2) é uma região super-populosa; (3) é cheia de ambulantes; (4) cheia de mercados de comida – incluindo muitos mercados de peixes e carnes, que faz a região feder um pouco. Mas isso não é em toda Chinatown. E, mesmo que fosse, eu continuo com a opinião de que todo mundo deve visitar Chinatown (do mesmo modo que acho que todo mundo tem que ir na Estátua da Liberdade, Empire State Building/Top of the Rock e Times Square). Faz parte da cidade e faz NY ser o que ela é. É uma região bem diferente do resto da cidade e acho que você encontra lugares assim em poucos países do mundo. Nos EUA, por exemplo, Chinatown como a de NY, só em NY (a Chinatown de SF é diferente…).

Então, o que fazer e ver em Chinatown? Você pode chegar a Chinatown de metrô ou caminhando. Fica pertinho do Soho, da Ponte do Brooklyn e do South Street Seaport. Nossa sugestão é começar mais pelo sul de Manhattan. Se vocês já viram ou não querem ver algumas das opções, olhem no mapa a estação de metrô mais próxima da atração que vocês querem ver e comecem a partir daí. O horário são apenas sugestões.

  1. 9:00: Pegue as linhas 4 ou 5 (verde) na direção para a estação Bowling Green;
  2. 9:30: desça na estação Bowling Green, pegue a Broadway e ande em direção ao norte de Manhattan, passando pelo parque Bowling Green;
  3. 9:35: pare para a foto com o Charging Bull (touro de Wall Street);
  4. 9:40: continue na Broadway em direção ao norte, até chegar na igreja Trinity;
  5. 9:45: dobre a esquerda na Wall Street e veja a bolsa de valores de NY (New York Stock Exchange) e a estátua do George Washington;
  6. 10:00: volte para a igreja Trinity;
  7. 10:05: siga na Broadway (norte) e entre no parque Zuccotti (onde estava tendo o Occupy Wall Street);
  8. 10:10: no parque Zuccotti, entre à esquerda na rua Liberty, dobre à direita na rua Trinity e à direita na rua Cortland para passar pela Century 21. A Century 21 é uma loja de departamento gigante, com várias marcas em desconto. É sempre MUITO cheia, mas bem em conta. Eu sugiro que você deixe para comprar aqui num dia que não seja de passeio a pé.
  9. 11:00: saia da Century e dobre à esquerda na Cortland e esquerda novamente para voltar à Broadway em direção ao norte até chegar na Capela St. Paul.
  10. 11:05: A capela St. Paul costumava ter um pequeno memorial do 11 de setembro. É uma capela bem antiga e vale a foto.
  11. 11:20: continue na Broadway norte até chegar ao City Hall. Pausa para descansar nos banquinhos (quem estiver cansado) e tirar mais fotos;
  12. 11:45: saia do City Hall e pegue a rua Centre para o norte (você vai ver a ponte do Brooklyn à esquerda). Siga pela rua Centre, passe pelo parque Foley, entre à esquerda na rua Worth e siga reto até o parque Columbus. Entre à esquerda na rua Mulberry;
  13. 12:00: a rua Mulberry na altura do parque Columbus é cheia de casas funerárias asiáticas (acho que a maioria – talvez todas – é chinesa). Pode não valer foto, mas é curioso/diferente. Entre no parque Columbus. Talve você veja pessoas jogando futebol (no final de semana são times de ligas da cidade… não é pelada de rua), volei, etc. Ainda no parque, você vai ver muitos asiáticos idosos sentados no bancos e muitas vezes cantando ou fazendo Tai Chi. No meio do parque tem um prédio bonito, arquitetura oriental, onde coisas acontecem no final de semana. Não passamos muito por lá então não tenho muitos detalhes. Mas vale o passeio.
  14. 12:15: Ok, hora de descansar novamente. Saia do parque Columbus na rua Bayard com Baxter e siga na Baxter em direção ao norte. Se gostar (e for maior de 21 anos!), passe na Whiskey Tavern. Peça 1 pickleback (por pessoa), 1 cerveja (por pessoa, ou um pitcher p/ 3 ou mais) e uma porção de tater tots (1 porção p/ 2 ou 3 pessoas). Não é almoço, é apenas descanso… relaxe, descanse as pernas, converse, veja as fotos que tirou e reveja a rota. Pickleback é um shot de whiskey aguadinho e um shot de pickled juice. Shot de tequila é muito 2011.
  15. 13:00: Ok, hora de voltar ao passeio. Saia da Whiskey Tavern e continue na rua Baxter em direção ao norte até chegar na rua Canal. Essa é a rua mais muvucada de Chinatown! É muamba e feira pra todo lado! Quando chegar na rua Canal, dobre a esquerda até a rua Centre para ver um prédio charmosinho em arquitetura chinesa (?). Acho que é um o único prédio com essa arquitetura em NY. Vale a foto..
  16. 13:10: Volte pela rua Canal e vá curtindo a muvuquesa da região. Eu não sugiro comprar nada aqui, mas, vale o passeio. Se você for mulher, é normal ser abordada por chinesas tentando convencer você a comprar bolsas “Prada” por lá. Não vá. 🙂 Ninguém vai assaltar você, mas não tem pra que comprar bolsa falsificada. Siga passeando na rua Canal até chegar na rua Mott. Entre a esquerda para continuar na rua Mott Agora, pausa para o almoço no restaurante Shangai Cafe (numero 100 na rua Mott).
  17. 13:45 – Opção 1 para o Almoço: Almoço no Shangai cafe é uma opção para quem está mais disposta a provar coisas novas. Se você souber o que pedir, não vai comer cabeça de galinha ou estrela do mar. Clique aqui e veja nossas dicas do que pedir no Shangai Cafe, lembrando que aqui só aceita dinheiro (cash only).
  18. 13:45 – Opção 2 para o Almoço: Se você não quiser provar o Shangai café, em vez de entrar na Mott, entre na rua Mulberry (também na direção norte) e passei pelo que resta de Little Italy. Quase não existe mais restaurante italiano tradicional/original e dos poucos que restam, 90% são pega-turista (ou seja, comida medíocre e cara). Se você estiver a beira de um desmaio de fome, coma. Se aguentar andar mais um pouco, continue passeando pelo resto de Little Italy até a rua Broome e veja a plaquinha “Welcome to Little Italy”. Continue na Mulberry, direita na rua Kenmare e à esquerda na rua Mott. Aqui, uma opção de almoço é a Parisi Bakery (rua Mott, número 198). Nós nunca comemos aqui, mas pelo que entendi, é um lugar que serve sanduíches frios (tipo pão com bologna, queijo, etc.). Essa é mais uma opção barata de almoço (cerca de $10/pessoa, com bebida).
  19. 13:45 – Opção 3 para  Almoço:  Mas, se você está disposto a gastar um pouco mais e esperar um pouco mais a aproveitar que está na região, prove a pizza da pizzaria Lombardi’s, na esquina da rua Mott com rua Spring. Essa pizzaria se auto-denomina a primeira pizzaria dos EUA. Aqui normalmente tem fila e você pode esperar até 1 hora para conseguir uma mesa, dependendo do dia. De todo modo, é mais fácil conseguir mesa na hora do almoço em dias de semana, então, se você estiver por aqui, vale a pena tentar. Faz tempo que não vamos lá, mas uma pizza (marguerita) grande custa cerca de $20 e serve 2 pessoas, refrigerante custa uns $2 a $3, e bebida alcóolica (acho que vinho e cerveja apenas) é mais caro. Como ainda tem garçon, aqui deve custa uns $20-$30 por pessoa.
  20. 15:00: Se tiver espaço para a sobremesa, prove diferentes tipos de arroz-doce (rice pudding) na Rice to Riches ou frozen yogurt na Pinkberry, ambas na rua Spring.
  21. 15:15: Siga na rua Spring em direção à Broadway (vire à esquerda na Spring quando sair da Lombardi’s). Agora você pode fazer compras ou apenas passear pelo Soho, seguindo norte ou sul na Broadway.

Ok, agora podem dizer que vcs me amam ❤

 

High Line: um parque suspenso

A High Line é um dos parques mais badalados da cidade, até porque é um dos mais recentes: foi aberto em 2009 e, desde então, está sempre lotado de turistas. É um parque diferente dos tradicionais: é construído nos trilhos elevados de uma antiga ferrovia que corria no lado oeste da cidade. No parque (em cima dos trilhos) você tem boas vistas do Rio Hudson e das avenidas 9 e 10. Vale a pena visitar o High Line se você estiver por Chelsea ou passeando pelo Meatpacking District no lado sudoeste da cidade – é de graça e é um passeio relativamente curto, em 30 min você consegue ver tudo. A única coisa negativa é que, por ser tão badalado, vive cheio, as vezes sem lugar pra sentar e descansar. O parque em si não tem lugares pra comprar comida, embora esteja bem perto do Chelsea Market, um dos nossos lugares favoritos para comer na cidade. O parque tem um banheiro público na altura da rua 15.

O “theater” na High Line, por John Dalton

O elevado onde o parque se encontra tem várias entradas, então você pode também fazer somente uma visita parcial (por exemplo, entrando na rua 14 e saindo na rua 23). O site do parque www.thehighline.org tem todas as informações sobre as entradas, os horários de funcionamento, história do parque, etc. Uma última dica: uma das coisas mais bacanas da High Line é a história do parque e do elevado onde ele se encontra. Se você tiver paciência, dê uma lida na história do parque na Wikipedia – uma história de mortes, frozen turkeys e até cowboys. É muito mais legal passear pelo parque imaginando a cidade no começo do século 20 e como as pessoas viam os trilhos naquela época.

Hoje tivemos uma oportunidade fantástica de fazer um passeio pela terceira seção da High Line, que corre do cruzamento da 10a avenida com rua 30 até o cruzamento da 12a avenida com rua 34. Essa seção não só ainda não está aberta ao público como ainda nem foi construída – uma chance legal de ver os trilhos no seu estado “natural”. Abaixo algumas fotos do nosso passeio– muito metal enferrujado, muito mato e uma sensação de estar andando no passado.

Começo dos trilhos, na avenida 12 com rua 34.

O Empire State Building, entre os arbustos da High Line.

Cruzamento de trilhos na nova seção da High Line.

Trilhos da High Line, rio Hudson.

Vista da avenida 11, do topo da High Line.

Clima de NY em Agosto

Coney Island em 14/Ago/2010

Seguindo a mesma linha de julho, o clima em Nova York em agosto é super verão. Quente. Mas, diferente de julho, raramente se tem ondas de calor e inferno. Então, o clima de NY em agosto é quente – bem quente – mas suportável.

Para os hipertensos e pessoas com baixa tolerância ao calor, se você só pode vir em julho-agosto, escolha agosto. Mas, se tiver outra época disponível, venha em outra época, porque é realmente quente. Especialmente para turistas, que passam o dia andando de um lado para o outro.

No começo de agosto, a temperatura é mais quente. Mais para o final do mês, algumas noites esfriam um pouco, isto é, ficam mais agradáveis. Mas ainda nada de casaquinho. No máximo uma calça jeans. Então, assim como em julho, a temperatura em agosto é estável. Quente, mas estável, variando dos 20 aos 35 graus. As noites (e primeiras horas da manhã) são mais frias, mas raramente estão abaixo dos 20 graus.

Calor em Agosto

Novamente, assim como em julho, uma das grandes vantagens de visitar NY no mês de agosto é que os dias ainda são longos. Amanhece cedo, pelas 6:30 da manhã, e anoitece tarde, pelas 8 da noite. No começo do mês, os dias são mais longos e, à medida que o mês vai chegando ao fim, os dias ficam um pouco mais curtos. Mais pelo final do mês, deve anoitecer pelas 7 ou 7:30 da noite.

Então, que tipo de roupa trazer se estiver visitando NY em agosto?

Como se vestir em agosto: chapéu e óculos escuros.

  1. Tênis (Sempre. O mais confortável que você tiver);
  2. Se você gostar, sandálias confortáveis o suficiente para andar por muito tempo;
  3. Short/bermuda/capri (calça opcional);
  4. UM casaquinho super leve (caso esfrie um pouco à noite…);
  5. Camisetas.
  6. Um BOM desodorante.
  7. Protetor solar.
  8. Óculos escuros.
  9. Biquini é opcional. Vocês não vão encontrar praias ou piscinas, mas nova-iorquinos adoram se bronzear nos parques. Eu só não usaria um biquini minúsculo… as pessoas vão olhar esquisito para você.

Resultado da promoção MoMA – parte 2 (A revanche!)

Então… eis que infelizmente a pessoa sorteada não pode pegar as senhas… então, para a sorte de algum outro leitor, faremos um segundo sorteio! \o/

Seguimos o mesmo esquema do sorteio anterior.

Usando o mesmo site, mesmo esquema…

E…

Parabéns Flávia! Entra em contato por e-mail até a quarta (dia 29), ok? (Se não, passamos para o próximo sorteio! :D)