Resultado da promoção MoMA

É hoje! Quem participou, participou. Quem não participou, fica pra próxima! Tivemos 23 participantes. A numeração dos participantes foi feita de acordo com a ordem dos e-mails recebidos – ou seja, a primeira pessoa que mandou e-mail ficou com o número 1, etc.

Usei um site para fazer o sorteio e o sorteado foi o número 4!

Camila, que, por coincidência, chega em NY amanhã! Camila, entra em contato (por e-mail) até o dia 26 (domingo!), ok?

Até o próximo sorteio, pessoal! Obrigada a todos que participaram!

Anúncios

Passeios românticos em NY

Olaaaaa leitores! Eu sei que estou de férias e disse que não postaria, mas está chegando o dia dos namorados (no Brasil) e eu pensei que podia fazer um post sobre lugares românticos em NY. Gente, mais uma vez eu queria deixar claro uma coisa: Daniel e eu criamos esse blog (1) como uma forma de nos comunicarmos com familiares e amigos no Brasil, (2) para nos divertirmos, (3) e para dar algumas dicas a pessoas que vem a NY. Nós NÃO somos guias, NÃO trabalhamos com isso e todos os posts são criações e opiniões nossas! Capiche? Ótimo! Então, voltando ao passeio romântico… Não é bem uma sugestão de passeio no sentido de roteiro de viagem. Queria apenas dar algumas sugestões de lugares que já fomos e achamos românticos.

Jantar no The Place

O The Place é um restaurante pequenininho no West Village. O ambiente é escurinho, tipo a luz de velas, meio de pedra, os garçons não ficam no seu pé, mas estão sempre atentos. Acho que a soma disso faz o lugar romântico. Também o fato de que ele é famoso por ser romântico, então a maioria das mesas é ocupada por casais. O preço é médio (entrada: $8-$12; principal: $22-$25; sobremesa: $9; vinhos a partir de $30/garrafa. Aqui o link para o cardápio do jantar. Não abre para almoço, mas abre para Brunch aos sábados e domingos. Nunca fomos para Brunch, mas deve ser bom também. A comida não é fenomenal, mas é bem gostosa – boa para o preço. Como o lugar é muito pequeno, eu sugiro que você faça reserva.

Picnic no Central Park

Picnic em qualquer parque pode ser romântico ou não – cabe a você. Nós gostamos muito de fazer picnic e temos a sorte de morar perto de uma área verde. Mas, independente de onde você estiver, é fácil chegar no Central Park, que é um lugar ótimo para picnic. Esse passeio é viável apenas para os dias mais agradáveis, então… Não precisa de muito alvoroço: passe num mercadinho e compre um lanche e bebida  – lembre-se de que não se pode ingerir bebidas alcoólicas em lugares públicos! -, leve um leçol ou toalha, um livro e uma máquina fotográfica e pronto. Escolha um lugar legal no parque, estenda sua toalha/lençol, sente e coloque seu amado(a) nos eu colo. Não tem como não ser romântico.

Fondue no Taureau

O Taureau é um restaurante minúsculo no East Village, que serve apenas fondue. Fondue = romance. E o melhor: o lugar é BYOB (Bring Your Own Booze Bottle, ou seja, você leva sua bebida e não tem taxa para isso). Como fondue pede vinho, sempre levamos 1 (ou 2 :)) garrafa(s) de vinho. Mesmo que não fique pertinho de uma estação de metrô, fica a menos de 10minutos de caminhada da estação do L na 1a avenida. Não é muito barato, mas como você pode levar a bebida, isso torna mais barato do que outros lugares. Nós já fomos lá VÁRIAS vezes e sempre gostamos. O cardápio pode ser meio complicado, mas os garçons com seus sotaques franceses tentam explicar. É mais ou menos assim: 1 pote serve duas pessoas, então as 2 pessoas tem que decidir pelo mesmo fondue (se queijo, é apenas 1 tipo, se carne, se você quer óleo ou caldo, qual chocolate, etc.). Se for carne, apesar de apenas UM pote, cada pessoa pede sua carne, e o preço do cardápio é por pessoa. Eu sempre acho que a melhor opção é pedir o prix fix (preço fixo, com três opções: $39, $48, ou $60 por pessoa) e inclui 1 fondue de queijo, 1 de carne (com 2 tipos de carne, 1 por pessoa) e 1 fondue de chocolate (escolha o ao leite). É meio salgado, mas  se lembre de levar um vinho e fica bom. Aqui o link com o menu. Se você pensa em ir lá, não custa nada dar uma olhadinha antes. 🙂 Nós sempre ficamos com o prix fix de $39 ou $48O Taureau não aceita cartão (leve cash!!!!) e, por ser pequeno, é melhor fazer uma reserva. Já fomos sem reserva e não conseguimos lugar. Mesmo sendo romântico, também é ideal para jantar com outros casais (sugiro 2 casais, 3 no máximo!), um familiar/amigo ou 2 ou para saída com amigas.

Minha dica: faça uma reserva para umas 7pm. Pegue o metrô e desça na UnionSquare (14st). Saia da estação e siga na rua 14 na direção da 1a avenida. Pouco antes da 3a avenida, entre no Trader Joe’s wine Shop e compre uma (ou 2) garrafas de vinho. Essa loja tem preços super em conta. Se você for chato exigente com vinho, escolha uma loja melhor. Se você quer apenas algo para acompanhar a conversa e jantar, escolha um vinho que te pareça legal e seja feliz. Lembre-se de que você precisa ser maior de 21 anos para comprar bebida. Continue na rua 14 na direção da 1a avenida. Na 1a avenida, siga para o sul, até a rua 7, entre na direção da avenida A e chegue no Taureau a tempo de pegar sua reserva. 🙂

Pronto. Para quem está de férias, já deu, né?

Comida barata em NY

Como já falamos antes, experimentar culinárias diferentes em NY não significa comer comidas estranhas e/ou gastar um horror. Uma dica de restaurantezinho legal que comemos até com frequência é o Num Pang, um lugar de sanduíches da Camboja (que eu jurava que era vietnamita, mas… enfim, é perto! :p)

O Num Pang fica pertinho da Union Square e pouquíssimo espaço para sentar. Se você está em NY entre os meses de abril-outubro, eu sugiro que pegue um sanduíche e vá para a Union Square, onde tem muito lugar pra sentar. Se você estiver aqui durante o inverno/começo da primavera, melhor melhor ficar por lá mesmo. Os sanduíches custam entre $7-$8.5 e são suficiente para uma pessoa. Se estiver com muita fome, 1 1/2. Dois por pessoa pode ser demais.

Eu tenho certeza de que quando eu falei “Camboja” 50% de vocês pensaram logo em “aaargh… deve ser super estranho”. Não é. Abaixo, os que nós já pedimos e recomendamos:

Sanduíche de almôndegas de vitela ao molho Hoisin

Esse é (metade d)o Hoisin veal meatballs, um sanduíche de almôndegas de vitela ao molho Hoisin (um tipo de molho asiático). Custa $7.50. A almôndega é bem diferente das que minha mãe faz, mas é uma delícia! Todos os sanduíches vem com penino, coentro, cenoura e um molho a base de maionese.

Sanduíche de porco ao molho agridoce

Esse é o Pulled Duroc pork, um sanduíche de porco desfiado, um pouco apimentado (nada extravagante, juro!) e com um pouco de mel – meio agridoce-picante. Custa $7.75.

Sanduíche de carne assada

E esse é o meu preferido! É o Grilled skirt steak. Skirt steak é um corte parecido com a fraldinha. A carne é bem temperadinha, não é picante, e eles sempre fazem (na minha opinião) no ponto certo: rosinha no meio. Adoro esse sanduíche! Custa $9.50 e vale a pena!

Viu? Quando eu sugiro coisas diferentes não tô dizendo pra você comer inseto! 🙂

Avaliação da bodega:

  • Preço: bom (sanduíches de $7-$10, sucos de $2-$3. Uns $10-$15 por pessoa).
  • Ambiente: pequeno mas não sei muito. Nunca fui (Daniel traz pra casa)
  • Atendimento: não sei. Nunca fui. Mas Daniel nunca reclamou.
  • Comida: Boa! Almoço ou jantar, dá pra pegar um take-out e comer no parque ou no hotel.
  • Resumo da ópera: recomendo! Os sanduíches são sempre bons!
  • Voltaremos: sim, comemos lá (ou melhor, de lá) 1 ou 2 vezes no mês…

Quer conhecer?

  • Site: http://www.numpangnyc.com/
  • Endereço: duas opções! 21 East 12th st. (rua 12, entre University Place e 5a avenida), Union Square; 140 East 41st st. (rua 41 entre Lex e 3a ave), Murray Hill.
  • Metrô (para o da Union Square): L, N, Q, R, 4, 5, 6 para a Union Square.

Onde comer em NY – além dos fast food: me explicando melhor

Peço desculpas a todos vocês pelo último post. Eu acho que a mensagem que eu queria passar não ficou muito clara. Pensei em só adicionar um update no final, mas finalmente decidi escrever um post me explicando. No post anterior (https://bigapplecomrapadura.com/2012/04/24/onde-comer-em-nova-york-alem-dos-fast-food/) eu falei que nós não recomendamos restaurantes estilo fast food. Mas deixem-me me justificar…

Eu quis dizer que se vocês pedirem dicas de restaurantes aqui, nós não recomendaremos esses lugares. Não quer dizer que falaremos “não vá nesse lugar”. Quer  dizer que ele não vai ser citado. Faz sentido? Dito isto, queria dividir os restaurantes em 4 categorias.

1) Fast food: quando penso em fast food, penso em restaurante estilo McDonalds, BK, Wendy’s, Bob’s, Habibs, etc. Esses lugares podem até ter comida gostosa, mas nós (marido e eu) particularmente não gostamos – por questões de saúde, políticas, e sociais. Não entrarei nessa discussão aqui porque não é o ponto do blog. Esses restaurantes fast food são os que falamos no post anterior que são SUPER baratos. Se você quer economizar um pouco ou está com muita pressa ou muita fome-tenho-que-comer-agora-se-não-eu-morro, pode ser uma opção. Mas, tenha em mente: o estilo do restaurante é diferente do Brasil. O ambiente. Apesar da decoração ser a mesma, como falamos no post anterior, são lugares em geral meio sujos (claro, depende do dia/hora/localização) e com alguns pedintes (na porta, pedindo, ou dentro, comendo).

2) Restaurantes de cadeia: essa categoria inclui os fast food mencionados acima, mas não se resume a eles. Aqui eu incluo os restaurantes estilo Outback, AppleBees, HardRock Café, etc. São restaurantes que servem basicamente o mesmo cardápio no mundo  todo, mas que são restaurantes: você entra, pede uma mesa, senta, pede comida, é atendido por um garçon, etc. Nós não frequentamos esses restaurantes, mas nós vamos a eles. Faz sentido? Em geral eles não são nossas primeiras opções, porque em Manhattan sempre se tem várias opções. Mas se, por exemplo, você está na região da Times Square, 99% dos restaurantes lá são assim. Se estamos por lá, comemos. Ou se estamos fora de Manhattan. Quarta-feira (antes de ontem), por exemplo, estávamos num shopping em San Diego (California) fazendo hora pra ir pro aeroporto e comemos num Cheesecake factory. Esses restaurantes de cadeia tem, em geral, a comida até gostosa. Alguns lugares tem comidas melhores que outros (gostamos muito do Cheesecake factory, mas talvez tenha um lado sentimental, já que nos lembra um querido casal de amigos :)). Novamente, se você pede dicas de restaurantes, esses lugares não chegam na nossa lista de lugares preferidos porque temos várias outras opções em Manhattan. Não quer dizer que achamos a comida ruim. Esses lugares não são exatamente baratos, mas são mais em conta do que no Brasil (acho! Nunca fui nesses lugares no Brasil). No Cheesecake Factory, por exemplo, um prato individual custa uns $15-$20 ($20-25 se for carne vermelha/frutos do mar).

3) Joints: esses são lugares pequenos, que servem comida rápido (fast food?), tipo hamburger, tacos, quesadillas, coisas assim, mas não são grandes cadeias internacionais. Podem ser até cadeia local, mas raramente são nacionais/internacionais. Gostamos desses lugares porque, sendo locais, em geral eles servem comida fresca (hambuger de carne moida fresca, em vez do hambuger congelado do BK, por exemplo). Aqui incluo lugares tipo o Burger Joint e o ShakeShack (dois lugares de hamburger e milk shake super bons!), o Dos Toros (lugar de quesadillas e burritos), o Num Pang (lugar de sanduíche vietnamita), etc. O preço desses lugares varia mas, sendo estilo sem-garçon, ficam mais em conta (só aqui vocês já cortam no mínimo 15% da conta). Eu chutaria que uns $10 por pessoa (1 hamburger/sanduiche + refri).

4. Restaurantes: aqui incluo restaurantes com garçon. Senta na mesa, pede, etc. (Em geral) A comida demora um pouco mais do que nas categorias 1 e 3 acima. Nessa categoria, o preço varia. Vão existir lugares baratinhos (os asiáticos, principalmente), lugares médios e caros. Que nem no Brasil.

Em geral, nós vamos aos lugares 3 e 4. Vamos ao 2 quando não temos muitas opções. Vamos ao 1 raramente/nunca. Quando eu sugeri que vocês evitassem os lugares 1 (e 2) no post anterior, eu estava pensando mais na linha: “deem uma chance aos lugares que vocês não conhecem o cardápio”. Não significa que vocês vão gastar MUITO mais dinheiro. Mas quer dizer que vocês já sabem o sabor, o tempero da comida de lugares que vocês conhecem… tentem lugares desconhecidos. Não estou dizendo que vocês devem gastar muito dinheiro (como Sergio falou no comentário do post anterior, existem vários lugares baratos que não sejam exclusivamente BK/McDonalds) nem que devem se arriscar em culinária tradicional chinesa. Quis dizer que não custa muito ir a lugares que vocês não conhecem e pedir uma comida que tenha ingredientes que vocês gostam. Tipo, se você gosta de hamburger, pula o BK e vai no ShakeShack ou Burger Joint. Não tem perigo de você não gostar.

#prontomeexpliquei 🙂

Onde comer em Nova York – além dos fast food

Familiares e amigos que nos visitam e leitores do blog estão sempre pedindo recomendações de bons restaurantes em Nova York. Nos temos uma lista gigantesca de lugares legais, e vamos tentar falar mais desses lugares aqui no blog. Mas, queria deixar claro uma coisa: se você está aqui no blog (ou falando conosco pessoalmente) e quiser recomendação de onde comer, esteja aberto ao que vai ouvir e tente experimentar.

Se você está esperando ouvir dicas de lugares que sirvam hamburguer estilo Mc Donalds ou costelinha do Outback ou pizza do Pizza Hut, você está falando com as pessoas erradas. Nós absolutamente não vamos a esses lugares. Nova York é um dos poucos lugares do mundo onde você encontra comida de qualquer lugar do mundo. Qualquer! E esses restaurantes de cadeia internacional servem A MESMA COISA em todo lugar do mundo. Se você adora Mc Donalds no Brasil, bom! Você deve ter um Mc Donalds perto da sua casa. Agora, você pagou $1000 de passagem, $1000 de hotel, e está gastando todo seu 13o e 14o em roupas, perfumes, maquiagem, eletrônicos… que tal aproveitar e conhecer algo novo?

Ok, se você é especialmente louco alucinado por um desses lugares, claro que você pode visitar (mas nós não vamos recomendar!). Sobre fast food tipo Mc Donalds e Burger King, fique atento: sabe aquele restaurante chique no Brasil, onde você paga R$30 por uma promoção, no salão lindo e limpo, com piso branco, mesas brancas, balcão de granito, tudo limpo e cheirando bem? Aqui não é assim! Como vocês devem saber, um Big Mac aqui custa uma bagatela. Não sei quanto, mas eu chuto que você consiga pagar uma refeição no Mc Donalds por menos de $5. Então, sendo assim super em conta, faz com que esses sejam os lugares onde moradores de rua vão comer – e aproveitar o ar-condicionado no verão ou aquecimento no inverno. Além disso, parece que eles tem poucos funcionários, o que faz com que as mesas fiquem sujas por mais tempo… e que o chão fique sujo por mais tempo… e a aparência do lugar seja… suja.

Então, nós não vamos ao Mc Donalds. Ou Burger King. Ou similares. Mas nós adoramos hamburger… então conhecemos vários lugares que servem o hamburger tradicional americano. Nós também adoramos batata frita. E também conhecemos vários lugares que servem batatas ótimas! O ponto que eu queria fazer é que se você está em Nova York, aproveitando tudo que a cidade tem para oferecer, abra sua cabeça ainda mais um pouco e prove culinárias diferentes. Está planejando ir à Índia? Não? Bom… mas que tal provar comida indiana? E visitar o Congo? Sem planos? Bom, dá pra provar a comida de lá mesmo assim! E Thailandia? Egito? Paquistão? Jamaica? Quenia? Colombia? Portugal? Não importa, tente. Se você não gostar, tudo bem. Ao menos você vai ter provado uma coisa que nunca mais vai provar na vida. Mas é uma experiência legal, gente! Aproveitem! Ok, podem comer suas costelinhas do outback ou seus bigMacs uma vez, mas aproveitem a cidade!

E quando vocês tiverem o coração aberto para uma pizza tradicional (não, não tem frango com catupiry), ou uma comida árabe (não, não tem esfiha…), ou uma comida americana (não, não é um Big MAc), ou uma comida Mexicana (não, não é TacoBell), vocês podem procurar a gente e nós vamos ter mil e uma recomendações. Abram suas cabeças e corações para as novas experiências gastronômicas que NY pode oferecer… se você não curte MESMO comida diferente… ainda assim você pode tentar uma culinária diferente e comer um arrozinho com frango chinês, em vez de um BigMac… 🙂

Bares em NY – uma experiência diferente…

Eu adoro bares no Brasil! Adoro a cervejinha nevando, o petisquinho gorduroso, a conversa com os amigos sem hora de ir embora… é lindo de morrer. Até o churrasquinho da esquina serve. Aqui em NY, a coisa é diferente… não que não existam bares por aqui. Existem. Milhares. O problema é que vários bares aqui não servem comida.

Uóoooooooooot? você deve estar se perguntando. Pois é. Aqui vários bares não tem comida, então você simplesmente bebe… eu não funciono apenas com bebida. Eu preciso de um petisquinho. Dai, alguns outros bares servem comida, mas não são os meus amados petisquinhos… o mais petisco que você encontra é batata frita ou nachos. “Comida de bar” aqui são hamburgers, chicken wings, quesadillas, etc. Bla. Além disso, de não ter comidinhas, só comidas pesadas, você não pode ficar eternamente numa mesa. E mais, em alguns cantos, mesa só se for comer. Então, se você quer só tomar a cervejinha, fica em pé ou, se der sorte, pega um lugar no bar. Se você senta na mesa, o(a) garçon(nete) vem e pergunta o que você vai querer. Você diz as bebidas. Ela traz as bebidas e pergunta: “e para comer?”. Dai você tem que pedir a comida (você pode até enrolar um pouco, mas se enrolar demais e o bar tiver cheio, ela vai dizer que a mesa é apenas para quem vai jantar, e bla). A comida vem (super pesada… ninguém merece tomar cerveja com hamburguer) e quando você acaba, o garçon já vem ver se você terminou e se quer mais alguma coisa. Nessa hora, você pode continuar pedindo bebida. O problema é que em alguns cantos, o garçon já pode trazer sua conta sem você pedir. É um saco. Então, comida de bar não tem. Alguns bares nem comida tem. Os que tem, a chance da comida ser ruim é de 25%. A chance da comida ser super pesada é de 90%.

Sobre a comida que você normalmente vai encontrar:

  1. hamburger (burger): 99% de chance. Quando você pedir, vão perguntar como você quer a carne (how do you want that cooked?), ou seja, qual ponto da carne você quer. As resposta são: bem passada (well done), ao ponto para bem passada (medium well), ao ponto (medium), ao ponto para mal passada (medium rare) e mal passada (rare). Isso vale para qualquer carne que eles perguntarem, inclusive cordeiro (lamb), vitela (veal) e pato (duck).
  2. sliderssliders são hamburguers pequenos. Em geral são vendidos em duplas ou trios e, por serem pequenos, em geral eles não perguntam sobre a temperatura da carne. Normalmente fica entre medium medium well.
  3. batata frita (fries): steak fries são as batatas fritas mais grossinhas, curly são as que parecem um macarrão parafuso, smile são as em formato de smileLoaded fries são as que são carregadas (loaded) com alguma coisa – normalmente queijo e bacon, algumas vezes, com chili.
  4. chicken wingsasinhas e sobrecoxa de frango fritas, passadas em algum molho (bufalo = picante, asiático ou barbecue, normalmente). Se não vem especificação do molho, significa que é o molho bufalo (buffalo sauce), que é picante. Algumas vezes eles perguntam quão picante você quer – hot, mild, etc. Mesmo que você seja acostumado a comer comida picante, comece pelas mild.
  5. anéis de cebola (onion rings): menos comuns.
  6. Quesadillas
  7. Nachos
  8. Paninis
  9. Tater tots: são bolinhas de batata ralada e fritas. Crocantes por fora, macias por dentro. Nham. 

A bebida dos bares também é um pouco diferente. Acho que todos tem cerveja, e a maioria é full bar, ou seja, serve tudo (vinho, cerveja, coqueteis). Mas, vários bares não tem cardápio. Você pode perguntar que cervejas eles tem (alguns dizem “qual você quer?”, já que eles tem quase todas), tipos de vinho (uvas, gente, tipos de uva), mas não espere um cardápio compreensivo com tudo. Alguns podem ter um cardápio com os coquetéis, mas… não é regra. Então, saiba o que pedir.

Sobre as cervejas, algumas são em garrafa long-neck (bottle), lata (can, normalmente listadas junto com as em garrafa) e as cervejas on draft ou on tap ou draught beers (ou seja, chope – ou chopp, como preferir), servidas em pint (se lê páint, e não pint ou paint – como paint brush. É um copo com quase 500mL), ou pitcher (uma jarra, com 1,7L). Além disso, as cervejas aqui não são estupidamente gelada.  Normalmente, nem geladas são. São frias. As de garrafa tendem a ser mais frias. Os pints ou pitchers são frias tipo uns 10-15C.

Sobre os coqueteis, varia muito. Existem vários sites que dizem mais os menos o que os mais comuns tem, mas eles tem nome especificos e, se você souber, pode pedir que se o lugar for full bar o bartender sabe fazer. Eu só conheço o mojito (rum, limão e hortelã), malibu pineapple (rum malibu – de côco – e suco de abacaxi) e piña colada (rum, suco de abacaxi, e creme de côco). Bares (de restaurantes) mais arrumados vão saber fazer caipirinha, mas talvez não seja comum em bares normais. Se o bar não estiver muito cheio, você pode conversar com o bartender e dizer mais ou menos do que você gosta, e ele/a prepara um drink para você. Tipo, se você é fã de caipirinha, você chega lá e diz que gosta de bebidas com frutas cítricas, por exemplo. Ele pode fazer um mojito (e cobrar o preço do mojito do cardápio) ou ele pode criar um drink especialmente para você. Nesse caso, se os drinks custam em média $10 nesse bar, espere que o seu drink especial custe de $10-$15.

E, para finalizar, 3 informações importantes:

  1. Só maiores de 21 anos podem beber. Se você tem menos de 35, ande com seu passaporte (nem adianta usar a identidade do Brasil ou cópia do passaporte). Os bartenders/garçons vão pedir sua identidad ena hora que você pedir a bebida. Em alguns cantos, vão ter bouncers na porta, que só deixam entrar no bar pessoas com mais de 21. Venha preparado.
  2. Na hora que você pede a bebida, você tem que pagar. Ou você abre uma conta (um  tab) e dá seu cartão de crédito para segurar a conta (eles vão ficar com o seu cartão até você pedir para fechar a conta) ou você paga cada bebida em dinheiro, na hora que pede.
  3. Gorjeta. Gorjeta. Gorjeta. Aqui você tem que dar gorjeta para tudo (menos fast food). Então, se você deu seu cartão de crédito e abriu um tab no bar, na hora de pagar, coloque pelo menos 15% de gorjeta (tip). 15-20, dependendo do atendimento. Se foi excelente, e você paquerou com o/a bartender a noite inteira, dê pelo menos uns 25%. Se você está pagando em dinheiro a cada pedida, a regra é de pelo menos $1 por bebida. Se a cerveja custou $3 no happy hourtip $1. Se a cerveja custou $7 no horário normal, e você pediu 2 cervejas, tip $2. Se você pediu um vinho de $15, tip $1. Se você pediu uma coisa muito específica (tipo, seu drink especial ou sugestão do bartender), tip pelo menos $3.

P.S.: Quando você paga a conta com cartão de crédito, o garçon leva o seu cartão, passa na máquina, e traz o seu cartão de volta com a conta, para você assinar. Normal. O detalhe é que ele passa o valor da conta (digamos, $100). Daí, a conta tem o lugarzinho para você escrever a gorjeta (tip, digamos $18) e colocar o novo total ($118). Daí, você já pode ir embora com seu cartão, mas eles vão cobrar $118 no cartão de crédito, e não os $100 iniciais. Nesse caso, se você quer controlar mais, você pode fechar a conta no cartão nos $100 mesmo e dar o tip em dinheiro.

Andando de taxi em Nova York – Parte 3: os livery cabs

Livery cab – taxi preto em NY

Nos dois últimos posts sobre táxis em NY, nós falamos sobre como funciona e os preços. Todo o tempo nós nos referimos aos tradicionais táxis amarelos. Mas, em NY existem 2 tipos de táxis: os amarelos (que todo mundo conhece) e os pretos (livery cabs ou car service).

Os livery cabs são carros de serviço (car service, como o próprio nome diz). Sabe, no Brasil, quando você liga pedindo um táxi? Pronto. Aqui é a mesma coisa! Você pode ligar para uma empresa e pedir um táxi no endereço tal, na hora tal. Esse táxi é o táxi preto, o livery cab. Eles não tem taxímetro, então você precisa combinar o preço logo – eu sugiro que você combine quando ligar ou, pelo menos, antes de entrar no carro. Não deixe para perguntar o preço quando chegar ao seu destino…

Então, os livery cabs são os que você chama pelo telefone e não tem taximetro. O problema é que esses táxis estão sempre na rua, então quando você está na rua, abanando seus braços ou fazendo a dança da chuva para pegar um táxi, volta e meia os táxis pretos param e se oferecem. Não aceite. Isso é ilegal. Esses táxis são proibidos de pegar pessoas na rua, como os táxis amarelos fazem. Mas, o prefeito de NY está propondo uma mudança, para que esses livery cabs possam pegar passageiros nas ruas, só que fora de Manhattan. Ou seja, no Queens, Brooklyn, Bronx e Staten Island. Em Manhattan, apenas acima das ruas 96 leste e 110 oeste. Mas, na verdade, isso ainda não foi aprovado, então… melhor evitar.

Esses carros não podem se oferecer nos aeroportos. Se você programar com uma empresa, tudo bem. Ele estará lá com a placa com o seu nome. Mas se você não combinar, não pegue. Ainda dentro do aeroporto, vários motoristas desses táxis ficam perguntando se você quer um táxi, se oferecem pra levar sua babagem, etc. Não aceite. Se você está no JFK, saia do aeroporto e pegue um táxi amarelo (preço fixo de $45 para qualquer lugar em Manhattan, mais 15-20% de gorjeta). Acho que no aeroporto LaGuardia é a mesma coisa, mas não sei como é no aeroporto de Newark.

Curiosidade: possivelmente devido a sua natureza duvidosa, os livery cabs também são conhecidos como gypsy cabs (táxis ciganos).

Esse post é parte de uma sequência sobre como andar de Táxi em NYC:
Parte 1: o básico
Parte 2: o custo
Parte 3: os livery cabs (esse post)