Segura as pontas!

Povo, já já o blog volta ao normal. Estou de férias no Brasil, matando saudade da família, amigos e comida! Vai ser difícil postar, mas tô disponível para tirar dúvidas! Continuem deixando seus comentários ou mandando email.

Volto ja!

Anúncios

Adeus, rugas!

Eu nunca tive problemas com minha idade. Na verdade, sempre quis ser mais velha, já que eu sempre fui a mais nova da turma. Depois dos 20, quando você deixa de querer ser mais velha, eu passei a adorar minha idade. Nunca tive problemas em dizer quantos anos eu tinha/tenho e nunca tive birthday blues. Ao contrário, adoro meu aniversário!

Vinícius e seu primeiro encontro com um LP

A primeira vez que me senti levemente velha foi quando meu sobrinho mais velho (hoje com quase 12 anos) viu um LP pela primeira vez e entrou em parafuso (algo do tipo “Oh meu Deus, um cd gigante!”). (Bom, se a mãe dele sobreviveu, por que eu deveria morrer me sentindo velha?heheheheehehe – ataque gratuito) Apesar disso, continuei sem problemas com minha idade. Acho que isso vem de ser sempre a mais nova – amiga mais nova, filha mais nova, irmã mais nova. Se eu for reclamar com qualquer pessoa que eu conheço que estou velha, tenho certeza de que vou passar o resto da vida ouvindo um sermão. Então, ainda estou bem com minha idade.

Um dia desses fui dizer minha idade a alguém e me peguei dizendo “25”. Deve ser por isso que eu me sinto bem… eu minto minha idade descaradamente e inocentemente. Eu não tenho mais 25, mas ainda me sinto com 25 e acho que tenho 25. Vai entender… (não se preocupem, na mesma hora eu me toquei e corrigi…)

Então… já que não tenho problemas com idade, nunca me liguei muito nisso. Nunca tive problemas sérios com espinhas na adolescência, por exemplo. Nos últimos quatro anos (sim, só nos últimos quatro anos), inclui um sabonete para o rosto e um hidratante para o rosto na minha rotina. E pronto. Pela manhã. Nos últimos meses passei a usar maquiagem, e resolvi adicionar uma lavagem de rosto e um hidratante no rosto antes de dormir. Só que parece que quando você começa a fazer isso, as coisas aparecem!

Eu continuo ok com minha idade. Continuo não censurando as fotos que Daniel tira, em que muitas vezes estou sem um pingo de maquiagem e ele ainda tira um close. Sem censuras por aqui (bom, se ele me vê sem maquiagem e de perto e está comigo… por que eu iria me importar se você aí me achou feia na foto?).

Post longo apenas para dizer: hoje usei meu primeiro creme anti-rugas.

Rugas nunca mais!!!! (hein?)

4 anos

Quatro anos atrás nós chegamos aqui, sem nunca termos visitados a cidade, com meu inglês pouco-e-ruim, com todas as nossas coisas em 2 ou 3 malas e com todas as nossas economias no bolso. Quatro anos depois, estamos aqui. E hoje nossas coisas ocupam um pouco mais que 2 ou 3 malas… 🙂

Para comemorar, o blog tá de cara nova.

(Ilustração by Ila Fox)

Fatia da Maçã: 2011 NYC Pride March

NYC Pride 2011

Esse ano participamos da NYC Pride March, a parada/marcha gay da cidade de NY. Nos divertimos horrores, todo mundo estava muito feliz já que a lei permitindo o casamento gay havia acabado de ser aprovada. No início foi meio esquisito, estar no meio da marcha e todo mundo nas calçadas olhando pra você, mas depois nos acostumamos. Vimos de tudo e de todos: idosos e crianças, negros e brancos, Ls Bs Gs e Ts. Vimos um pedido de casamento acontecer no nosso lado entre duas mulheres que eram namoradas há anos. Para ver mais fotos da parada basta clicar na foto ao lado ou visitar o nosso 2011 NYC Pride album.

Doce de leite

Eu sei que esse não é um blog de receitas, mas essa semana me aventurei na cozinha e deu certo. Tinha vários litros de leite que vão vencer em breve e não queria jogar fora. Resolvi tentar fazer doce de leite e, eis que deu certo! Não que seja algo difícil, mas… consegui :). Para quem não sabe fazer, segue o passo-a-passo:

1. Numa panela alta, misture o leite, o açúcar e o bicarbonato de sódio. A proporção é 1 xícara de açúcar para cada litro de leite e uma pitada de bicarbonato. Eu usei essa quantidade.

2. Leve ao fogo médio-alto até ferver – demora cerca de 15 minutos. Não precisa mexer sempre, mas fique olhando a panela o tempo todo, porque o leite sobe e pode derramar.

3. Quando o leite ferver, abaixe o fogo (médio-baixo) e marque 40 minutos. Observe nos primeiros minutos se o leite está subindo. Deixe o fogo numa temperatura que não faça o leite subir. Mexa a cada 5 minutos, mais ou menos.

4. Depois de 40 minutos, o leite começa a escurecer, ficar meio amarelado.

5. Mexa sem parar, até atingir a cor/consistência que você quer. Eu cozinhei por mais 5 minutos e ficou assim:

O rendimento é de cerca de 300mL para cada litro de leite (bem pouco, mas..)

And we are back!

De verdade. Estamos de volta. Depois de 2 anos em Nova Jersei (Jerseeeeeeeyyyyy \o/), voltamos pra NYC no meio de junho. Morar em Jersei foi ótimo! Adoramos a cidade (New Brunswick, onde eu estudo), o estado e o estilo de vida, mas é ótimo estar de volta. Como era de se esperar, Jersei tem um ritmo bem mais lento que NY, mas nos adaptamos rapidamente. É diferente, mas adaptável. Não sei se conseguiríamos ficar muito muito tempo lá, acho que temos uma ideia de aproveitar NY enquanto podemos, então… talvez Jersei seja melhor de novo no futuro. Mas, agora, a hora era de voltar pra Big Apple. E cá estamos, mais felizes do que nunca…

Quando nos mudamos de Natal pra NY, moramos em Astoria – Queens. Foi ótimo. Curtimos bastante o Queens, curtimos Manhattan relativamente bastante também. Depois, nos mudamos para Jersei. Foi ótimo. Curtimos bastante Jersei e, pela facilidade do carro, curtimos outros estados próximos também (Pensilvania, Virginia, Massachusetts). De certo modo, continuamos curtindo Manhattan relativamente bastante. Mas agora… agora! Agora estamos aqui! Agora é curtir NY não relativamente bastante, mas curtir curtir curtir, exaustivamente! Então, querida família e amigos leitores, nos aguardem. Big Apple com Rapadura agora é oficial! 😀

(Oh, yes, babe, we’re here…)

Cozinhando nos EUA

Cozinhar aqui é muito chato. É ótimo ter praticamente qualquer ingrediente a sua disposição, incluindo produtos orgânicos e similares, asiáticos, africanos, italianos, brasileiros… a sua escolha. Mas uma coisa extremamente frustrante é ir para a cozinha. Tinha uns peitos de frango boiando na geladeira a uns dias e resolvi cozinhar hoje. Como tava sem tempo, temperei e joguei no forno. Gente, tem coisa mais chata que esses “smoke detector”? Eu (ingenuamente?) achava que esses alarmes detectavam fumaça mas, aparentemente, eles detectam calor. Aí… não tem veia-de-chef que aguente…

Hoje cozinhei 3 peitos de frango. 5 minutos temperando, 30 minutos cozinhando, 25 minutos xingando o detector de fumaça, abrindo as janelas (TODAS) num dia de ventania desgraçada e abanando o alarme. Sim, podem imaginar a linda cena. Quase jogo o martelo no negócio. Daí, vem as alternativas:

  1. Desligar o aparelho (com grande chance de esquecer de ligar novamente);
  2. Colocar um ventilador direcionado pra ele (?);
  3. Não cozinhar;
  4. Matar quem aparecer pela frente.

Comécfaz pra cozinhar com prazer num lugar assim? Vou virar uma daquelas pessoas que só come coisas cruas… 😦 (crudivorismo é um nome muito feio, né?)

(mas ficou bom :D)